Câncer de pâncreas: conheça os principais sintomas e fatores de risco

Doença é responsável por 2% dos casos de câncer no Brasil e o tratamento é dificultado pelo diagnóstico tardio 

ELINE SANDES
Pâncreas O câncer de pâncreas é uma condição considerada relativamente rara, representando cerca de 2% dos casos de todos os tipos da doença diagnosticados no Brasil. Ele costuma ser agressivo e evoluir rapidamente, se espalhando para outros órgãos. O diagnóstico tardio faz com que a mortalidade desse tipo de câncer seja alta.

“Os sintomas iniciais costumam ser inespecíficos: às vezes é um desconforto na região superior do abdômen, ou um cansaço que pode ser confundido com doenças como a anemia“, explica o oncologista Daniel Girardi, do Hospital Sírio-Libanês de Brasília. “À medida que o câncer avança, os sintomas costumam ficar mais intensos e pode ser notado emagrecimento e icterícia (condição que deixa a pele amarela), devido a alterações que atingem o fígado”, acrescenta. 





Por isso, é importante ficar atento a qualquer manifestação persistente de um ou mais dos seguintes sinais: 

Desconfortos abdominais;
Cansaço excessivo; 
Pele e olhos amarelados (icterícia);
Emagrecimento; 
Náuseas; 
Dores nas costas; 
Urina escura.

A oncologista Alessandra Leite, do hospital Santa Lúcia, explica que a coloração amarelada da pele e dos olhos e a urina escura na tonalidade do chá preto são os sintomas mais presentes.

“A maioria dos tumores pancreáticos estão localizados em uma região que chamamos de cabeça do pâncreas, mais próxima do fígado e das vias biliares. Quando o tumor começa a crescer, ele comprime as vesículas, que é onde a bile é drenada. Como a secreção do fígado não consegue entrar na via intestinal, ela acaba voltando e fica impregnada na corrente sanguínea, causando icterícia e urina escura”, esclarece Alessandra. 

Fatores de risco

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), a maioria dos casos documentados acontece por predisposição genética, apresentada quando o paciente tem outros problemas de saúde ligados ao câncer de pâncreas, como a síndrome de Peutz-Jeghers e a síndrome de pancreatite hereditária, ou foi diagnosticado com câncer de mama ou e ovário hereditários. 

Outros fatores que podem contribuir para o aumento da chance de ter a doença são hábitos de vida como tabagismo e obesidade, ou doenças como diabetes e pancreatite crônica. Além disso, o câncer costuma ter maior incidência em pessoas acima de 40 ano.

Diagnóstico e tratamento 

O oncologista Daniel Girardi ressalta que, em 80% dos casos de câncer no pâncreas, o diagnóstico só é dado quando o tumor já é inoperável e está em metástase, ou seja, se espalhando para outros órgãos. 

Em casos onde o tratamento é possível, as intervenções recomendadas são a cirurgia, a quimioterapia e a radioterapia. 

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! 

Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente. 

Já leu todas as notas e reportagens de Saúde hoje? Clique aqui.

BLOG. FRANCISCO FIGUEIREDO

Muito Obrigado por sua visita! A internet é a mais fantástica invenção do homem nos últimos tempos. A liberdade de pensamento que ela nos oferece é de um poder fenomenal. E foi tentando otimizar este espaço privilegiado, que editamos este Blog. O intuito é publicar e discutir qualquer assunto que seja notícia ou de interesse público. Muito obrigado por sua visita e não esqueça de interagir conosco, escrevendo e opinando. REPÓRTER INVESTIGATIVO, DETETIVE PROFISSIONAL - EQUIPE CODI. COMUNICAÇÃO E MÍDIA.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem

Publicidade

Music